Como os novos meios de pagamento vão impactar o varejo brasileiro

Como os novos meios de pagamento vão impactar o varejo brasileiro

Inovação nos meios de pagamentos trará benefícios para consumidores e estabelecimentos comerciais. Você já está preparado? Confira A maneira como pagamos está mudando drasticamente. Mais e mais consumidores estão usando dispositivos conectados, smartphones e outros meios digitais para pagar e receber pagamentos; ao mesmo tempo, novas tecnologias e um número crescente de players da indústria estão transformando as experiências de pagamento de uma forma fascinante. Em nossas conversas com participantes do ecossistema de pagamento, certos tópicos relacionados a desafios e oportunidades para consumidores e estabelecimentos comerciais estão sempre presentes. Primeiro: é indubitável que as expectativas dos consumidores estão cada vez mais altas. Velocidade, segurança e simplicidade nunca foram tão importantes. Eles querem uma experiência de pagamento fluida para comprar os produtos e serviços de sua preferência, seja como for: presencialmente; on-line, usando o dispositivo de sua preferência; ou fazendo os pedidos on-line e retirando os produtos pessoalmente. Além disso, estão em busca de benefícios adicionais, que podem estar relacionados a programas de fidelidade ou outras recompensas. Segundo: da perspectiva dos estabelecimentos comerciais, é fundamental desenvolver as melhores experiências para os consumidores, em múltiplos canais. O sucesso de uma empresa, das receitas às margens, depende de ela melhorar as formas como seus produtos e serviços são oferecidos e de criar experiências de pagamento sem atrito. Entre as principais oportunidades a serem exploradas pelos estabelecimentos comerciais hoje estão melhorar e simplificar os processos de pagamento em lojas físicas e virtuais e traçar planos para incorporar funcionalidades digitais com ofertas relevantes para os consumidores. Isso inclui habilitar o comércio por contexto, gerar conversas com varejistas em aplicativos de mensagem instantânea para viabilizar...
Saiba calcular o giro de estoque

Saiba calcular o giro de estoque

O giro dos estoques é um indicador do número de vezes em que o capital investido em estoques é recuperado através das vendas. Usualmente é medido em base anual e tem a característica de representar o que aconteceu no passado, sendo calculado pela fórmula mostrada abaixo:             Quanto menor for o estoque em relação à projeção de vendas teremos menor cobertura de estoque em dias, semanas, etc.. Isto significa que se corre o risco de faltar mercadoria para atendimento ao cliente quando a cobertura de estoques for baixa, mas, no caso contrário, com índice de cobertura muito alto,  também se corre o risco de ter estoques obsoletos em face das mercadorias “saírem de moda” ou perderem qualidade com o tempo de exposição na loja ou permanência em depósito. Compartilhe...
Como transformar dados em informações relevantes

Como transformar dados em informações relevantes

As empresas têm dados aos montes. Difícil, é tirar informação deles. A concorrência entre produtos é cada vez maior em supermercados. Por isso, tanto indústria quanto distribuidores precisam estar atentos a diversos indicadores que mostram como está a atuação da marca no ponto de venda. São critérios como preço, presença, número de frentes, produtos danificados ou próximos da data de validade e índice de ruptura, entre outros. Fazer a coleta de todas essas informações de forma manual é possível. Entretanto, atualmente existem softwares de trade marketing que facilitam a vida para gestores e promotores de vendas. Sem a tecnologia, o processo se torna muito mais lento e trabalhoso – o promotor coleta os dados em uma folha de papel e, no final do dia, compila as informações em uma planilha e envia para seu supervisor.Ter esses dados escritos em planilhas estáticas demanda tempo dos gestores na produção de relatórios. Algumas empresas, com grandes equipes de campo, chegam a levar de 7 a 15 dias para consolidar um relatório de ruptura ou preços, por exemplo. Será que este dado servirá realmente para uma tomada de decisão? O que é um preço de sete dias atrás? Os gestores precisam de velocidade para que possam realizar ações combativas em tempo hábil. Um problema ainda maior e bastante comum é exigir o preenchimento destas informações por parte da equipe apenas para tê-las arquivadas – sem analisar de fato o que os dados revelam. Isso não traz nenhum tipo de ganho para a empresa. Por isso, é fundamental o uso de softwares de gestão de trade marketing. Com um smartphone, as informações coletadas pela...
Lojas containers de batata gourmet são nova franquia brasileira

Lojas containers de batata gourmet são nova franquia brasileira

As populares batatas fritas, normalmente um acompanhamento nos cardápios, agora são protagonistas das refeições. Essa é a proposta da rede de fast-food brasileira Batatóp (www.batatop.com.br), que aposta nas versões palito e noisette como carros-chefe do negócio. A empresa, fundada em 2013, vai inaugurar sua primeira franquia no mês de novembro, em Blumenau (SC).As lojas têm o formato de containers metálicos similares aos de portos, que ocupam pouco espaço – normalmente são instalados em estacionamentos, supermercados, terrenos ou qualquer pequeno espaço em área livre e descoberta – e têm mobilidade. “O franqueado pode vender batatas na praia, no verão, ou em Campos do Jordão, no inverno, por exemplo”, diz Alessandro Scapol, diretor da Batatóp. O produto é vendido em cones, com recipientes para várias opções de molhos, como mostarda com mel, barbecue e queijo cremoso. A versão palito custa R$ 10 e a noisette, R$ 12. “Percebemos que no Brasil não havia consumo exclusivo de batatas fritas como refeição e apostamos nesse nicho de mercado”, conta Scapol. Para se adaptar ao gosto dos brasileiros, a empresa desenvolveu um óleo vegetal especial que deixa as batatas mais sequinhas e saudáveis, além de conservar sua crocância por mais tempo. “A receita é segredo”, brinca o idealizador da marca. O investimento inicial parar abrir uma franquia da Batatóp é de R$ 100 mil, inclusos taxa de franquia e capital de giro. São cobrados 5% de royalties e 2% de fundo de propaganda. “Só precisamos de sistemas hidráulico e elétrico para levantar uma unidade em 45 dias”, explica Scapol. O tempo de retorno é de 12 a 18 meses e o faturamento gira em...
Grandes redes mantêm planos de expansão

Grandes redes mantêm planos de expansão

Apesar de ter sentido a desaceleração de vendas, grandes varejistas informam que mantiveram os planos de expansão para este ano e o próximo porque estão olhando para as perspectivas do mercado brasileiro a médio e longo prazos.Há 37 anos no País, a C&A abriu 29 lojas este ano, uma a mais do que em 2013 e sete a mais que em 2012. “Nossas inaugurações ficaram dentro do planejado”, afirma o diretor de operações da rede, Elio França. A companhia encerra 2014 com 290 lojas e o único Estado em que não estará presente será Tocantins. Mas já está programada a abertura de uma unidade em Palmas, capital do Estado, no ano que vem. Para 2015, a rede planeja abrir 25 lojas. “O Brasil tem um dos maiores mercados de consumo do mundo e a nossa perspectiva é de médio e longo prazos”, diz França, sobre os impactos da desaceleração de vendas nos planos de expansão da rede. Essa também é a avaliação de Manuel Corrêa, diretor geral da Telhanorte, uma das gigantes do setor de materiais de construção. Depois da reestruturação que houve na companhia nos últimos anos, a empresa voltou a abrir lojas este ano. Em 2014, foram duas unidades e, para o ano que vem, a meta é inaugurar entre quatro e cinco lojas, com investimentos de R$ 80 milhões. A rede termina 2014 com 38 pontos de venda. Corrêa diz que a empresa sentiu os altos e baixos do mercado deste ano. “O primeiro trimestre foi pujante, o segundo mais fraco por causa da Copa, o terceiro continuou fraco e o quarto está razoável.” A expectativa...
Freddo passa a vender sorvetes em carrinhos

Freddo passa a vender sorvetes em carrinhos

A marca de sorvetes artesanais Freddo começou a atuar num novo formato de ponto de venda, composto por um carrinho. O objetivo é expandir a presença no mercado nacional. Com design vintage, a novidade chega a shoppings do Rio de Janeiro e de São Paulo, entre outubro e novembro, oferecendo seis sabores. As receitas são as mesmas já encontradas em lojas espalhadas pelo país: doce de leite, doce de leite tentação, banana split, chocolate, morango e maracujá. O novo formato também terá os cubanitos, canudos de waffle recheados de sorvete e cobertos com chocolate artesanal, por R$ 9,90, além de cafés premium em cápsulas da marca italiana Lavazza e copos para viagem, R$ 5,90. Já os sorvetes estarão disponíveis em potes pequenos, de 90 gramas, ao preço de R$ 10,50, médios, 170g e R$ 13,90, e potes grandes, de 250g e R$ 19,90. O primeiro Carrinho Freddo estreou neste fim de semana no Shopping Downtown, na capital fluminense, e estará em breve no Shopping Ibirapuera, Shopping Plaza Sul, Shopping Metrópole e Shopping Metrô Santa Cruz, todos em São Paulo. As cidades que já contam com sorveterias da marca são: São Paulo (SP), Campinas (SP), Ribeirão Preto (SP), São José do Rio Preto (SP), Curitiba (PR), Rio de Janeiro (RJ), Niterói (RJ), Ponta Grossa (PR), Brasília (DF), Vitória (ES), Belo Horizonte (MG), Natal (RN), Porto Alegre (RS), Joinville (SC) e Xangri-Lá (RS). Esta última unidade é temporária, com funcionamento na temporada de verão. Fonte: Mundo do Marketing Compartilhe...