Como os novos meios de pagamento vão impactar o varejo brasileiro

Como os novos meios de pagamento vão impactar o varejo brasileiro

Inovação nos meios de pagamentos trará benefícios para consumidores e estabelecimentos comerciais. Você já está preparado? Confira A maneira como pagamos está mudando drasticamente. Mais e mais consumidores estão usando dispositivos conectados, smartphones e outros meios digitais para pagar e receber pagamentos; ao mesmo tempo, novas tecnologias e um número crescente de players da indústria estão transformando as experiências de pagamento de uma forma fascinante. Em nossas conversas com participantes do ecossistema de pagamento, certos tópicos relacionados a desafios e oportunidades para consumidores e estabelecimentos comerciais estão sempre presentes. Primeiro: é indubitável que as expectativas dos consumidores estão cada vez mais altas. Velocidade, segurança e simplicidade nunca foram tão importantes. Eles querem uma experiência de pagamento fluida para comprar os produtos e serviços de sua preferência, seja como for: presencialmente; on-line, usando o dispositivo de sua preferência; ou fazendo os pedidos on-line e retirando os produtos pessoalmente. Além disso, estão em busca de benefícios adicionais, que podem estar relacionados a programas de fidelidade ou outras recompensas. Segundo: da perspectiva dos estabelecimentos comerciais, é fundamental desenvolver as melhores experiências para os consumidores, em múltiplos canais. O sucesso de uma empresa, das receitas às margens, depende de ela melhorar as formas como seus produtos e serviços são oferecidos e de criar experiências de pagamento sem atrito. Entre as principais oportunidades a serem exploradas pelos estabelecimentos comerciais hoje estão melhorar e simplificar os processos de pagamento em lojas físicas e virtuais e traçar planos para incorporar funcionalidades digitais com ofertas relevantes para os consumidores. Isso inclui habilitar o comércio por contexto, gerar conversas com varejistas em aplicativos de mensagem instantânea para viabilizar...
Saiba calcular o giro de estoque

Saiba calcular o giro de estoque

O giro dos estoques é um indicador do número de vezes em que o capital investido em estoques é recuperado através das vendas. Usualmente é medido em base anual e tem a característica de representar o que aconteceu no passado, sendo calculado pela fórmula mostrada abaixo:             Quanto menor for o estoque em relação à projeção de vendas teremos menor cobertura de estoque em dias, semanas, etc.. Isto significa que se corre o risco de faltar mercadoria para atendimento ao cliente quando a cobertura de estoques for baixa, mas, no caso contrário, com índice de cobertura muito alto,  também se corre o risco de ter estoques obsoletos em face das mercadorias “saírem de moda” ou perderem qualidade com o tempo de exposição na loja ou permanência em depósito. Compartilhe...
Inovação em mini mercado de bairro

Inovação em mini mercado de bairro

Sempre ouvimos falar que o mercado está inchado, a competição está extremamente acirrada, seu negócio se encaixa neste perfil? Como se diferenciar? Pequenas inovações geram GRANDES resultados. Conheça o caso do Armazém La Boqueria de Porto Alegre. Um pequeno comércio de bairro de administração familiar mudou seu layout criando um ambiente para lanches rápidos frente a uma bela vitrine para o bairro, o investimento foi baixo e o resultado foi espetacular. Uma simples formatação aumentou o fluxo, inclusive de novos clientes, o faturamento. Seu negócio é tradicional? Busque diferenciais que agreguem valor sempre de olho no Ambiente, abastecimento e atendimento. Boas Vendas. Compartilhe...
Ponto Comercial, Passando o Ponto: Saiba como Funciona

Ponto Comercial, Passando o Ponto: Saiba como Funciona

Não obstante a antiga Lei de Luvas não esteja mais em vigor desde o advento da Lei do Inquilinato, ainda observo no mercado imobiliário ser comum a venda de “pontos comerciais” envolvendo os mais variados segmentos comerciais, sejam bares, lanchonetes, pequenos restaurantes, padarias entre outros, quer pelo destaque, localização ou popularidade do estabelecimento que possui significativa capacidade de atrair freguesia, originando assim o ponto comercial. No entanto, a venda do ponto comercial diretamente entre locatário e terceiro requer a adoção de inúmeros cuidados para resguardar o adquirente a utilização pacífica da atividade comercial pretendida. Isto porque, na maioria das vezes, o imóvel objeto da venda do ponto comercial é locado, e o locador ou proprietário do imóvel não é consultado acerca da transferência da locação, comportamento este incorreto, que acaba por gerar conflitos entre as partes, pois não anuindo o locador com os termos do negócio, o adquirente ficará na dependência da vontade do locador ou proprietário da manutenção ou não da locação e respectivo contrato com o adquirente, surgindo então a figura da sublocação não consentida, condição vedada por lei. E neste sentido, não consentindo o locador com a transferência, as partes se veem obrigadas, muitas vezes, a bater às portas do Poder Judiciário, a fim de resolver o impasse ante as infringências à legislação do inquilinato, que expressamente proíbe a cessão da locação, a sublocação e o empréstimo do imóvel sem o consentimento expresso do locador, cuja circunstância comumente se constata nos casos de venda de ponto comercial. Também, antes de comprar o ponto comercial, deve o adquirente tomar medidas porquanto da analise do contrato de locação...
Oakley por Designer: Kiss Miklós & Görög Ferenc Gábor

Oakley por Designer: Kiss Miklós & Görög Ferenc Gábor

Confira a Flagship da Oakley e inspire-se na sua. O conceito do interior da loja é baseado no mundo de minas e, portanto, cria a filosofia de mineração de óculos de sol. Um contraste lúdico foi aplicado no conceito. Sendo esta a contradição de usar óculos escuros para proteger os olhos da luz e de mineração no escuro e em um ambiente industrial. Compartilhe...
O que você deve analisar antes de selecionar um bom ponto comercial

O que você deve analisar antes de selecionar um bom ponto comercial

Fonte [http://www.bgeh.com.br/artigos] Para localizar e selecionar um bom ponto comercial, é preciso seguir algumas premissas, que variam de acordo com as características de cada negócio. Afinal, é essa análise que vai aumentar as chances de sua unidade estar no lugar certo, no momento certo e com o espaço adequado ao potencial do negócio. Portanto, ao expandir sua rede, analise os seguintes aspectos e aumente as chances de encontrar bons pontos comerciais, adequados às características do seu negócio: – Tipo de Negócio – caso o negócio seja voltado para empresas e não dependa da venda direta ao consumidor, a localização deve privilegiar redução de custos e segurança. Mas caso abrigue a distribuição de produtos, pela questão logística, deve-se priorizar a localização central com os clientes. Porém, se o negócio for voltado ao consumidor final, devem ser analisadas questões como conveniência, proximidade com o consumidor e facilidade de acesso. – Tipo de Consumidor – nas grandes cidades brasileiras, pelo advento da falta de segurança, existe uma maior concentração de compras em shopping centers. Ocorre porém que no comércio popular, voltado para as classes C, D e E, os estabelecimentos localizados em ruas ainda são muito fortes. – Tipo de Cidades – além das características sócio-econômicas, em cidades pequenas e médias com baixos índices de criminalidade ainda é muito comum os estabelecimentos de ruas, mesmo voltadas para consumidores das classes A e B. – Serviços ou vendas? – o segmento de serviços tende a adaptar-se melhor em ruas, pois há mais conveniência para o consumidor – e além disso, os custos de ocupação são menores. No caso de vendas de produtos, a...