Como os novos meios de pagamento vão impactar o varejo brasileiro

Como os novos meios de pagamento vão impactar o varejo brasileiro

Inovação nos meios de pagamentos trará benefícios para consumidores e estabelecimentos comerciais. Você já está preparado? Confira A maneira como pagamos está mudando drasticamente. Mais e mais consumidores estão usando dispositivos conectados, smartphones e outros meios digitais para pagar e receber pagamentos; ao mesmo tempo, novas tecnologias e um número crescente de players da indústria estão transformando as experiências de pagamento de uma forma fascinante. Em nossas conversas com participantes do ecossistema de pagamento, certos tópicos relacionados a desafios e oportunidades para consumidores e estabelecimentos comerciais estão sempre presentes. Primeiro: é indubitável que as expectativas dos consumidores estão cada vez mais altas. Velocidade, segurança e simplicidade nunca foram tão importantes. Eles querem uma experiência de pagamento fluida para comprar os produtos e serviços de sua preferência, seja como for: presencialmente; on-line, usando o dispositivo de sua preferência; ou fazendo os pedidos on-line e retirando os produtos pessoalmente. Além disso, estão em busca de benefícios adicionais, que podem estar relacionados a programas de fidelidade ou outras recompensas. Segundo: da perspectiva dos estabelecimentos comerciais, é fundamental desenvolver as melhores experiências para os consumidores, em múltiplos canais. O sucesso de uma empresa, das receitas às margens, depende de ela melhorar as formas como seus produtos e serviços são oferecidos e de criar experiências de pagamento sem atrito. Entre as principais oportunidades a serem exploradas pelos estabelecimentos comerciais hoje estão melhorar e simplificar os processos de pagamento em lojas físicas e virtuais e traçar planos para incorporar funcionalidades digitais com ofertas relevantes para os consumidores. Isso inclui habilitar o comércio por contexto, gerar conversas com varejistas em aplicativos de mensagem instantânea para viabilizar...
Saiba calcular o giro de estoque

Saiba calcular o giro de estoque

O giro dos estoques é um indicador do número de vezes em que o capital investido em estoques é recuperado através das vendas. Usualmente é medido em base anual e tem a característica de representar o que aconteceu no passado, sendo calculado pela fórmula mostrada abaixo:             Quanto menor for o estoque em relação à projeção de vendas teremos menor cobertura de estoque em dias, semanas, etc.. Isto significa que se corre o risco de faltar mercadoria para atendimento ao cliente quando a cobertura de estoques for baixa, mas, no caso contrário, com índice de cobertura muito alto,  também se corre o risco de ter estoques obsoletos em face das mercadorias “saírem de moda” ou perderem qualidade com o tempo de exposição na loja ou permanência em depósito. Compartilhe...
LIVRO DOWNLOAD – PAI RICO, PAI POBRE (ROBERT T. KIYOSAKI) Link Atualizado

LIVRO DOWNLOAD – PAI RICO, PAI POBRE (ROBERT T. KIYOSAKI) Link Atualizado

Um grande livro, dentre tantos outros títulos com ensinamentos mágicos sobre como você deve pensar e agir para ganhar tanto dinheiro quando imaginar, o livro de Robet Kiyosaki é fantástico (apesar do título um tanto polêmico). O livro conta sobre  a história de vida do próprio autor, aonde “Pai Pobre” é seu pai de fato, funcionário público sem visão empreendedora. E  “Pai Rico”, pai de seu amigo de infância, ensina sobre o mundo dos negócios e educação financeira. De acordo com “Pai Rico” devemos  ter cuidado com o “passivo” (despesas fixas)  ou atitudes  que gerem despesa: financiamentos de casas, carros, cartão de crédito, etc. Devemos, ao longo da vida, adquirir “ativos” (operações que nos gerem renda fixa ou que deem lucro) e com o lucro adquirirmos mais ativos e nossos tão sonhados bens de consumo. No livro ele exemplifica diversas maneiras de como  “fazer dinheiro”. Cita de como ele comprou um imóvel em leilão com valor abaixo do mercado e revendeu em 15 dias. [BAIXE O LIVRO]     Compartilhe...
Franquias: Vigoroso no longo prazo e Cauteloso no curto prazo

Franquias: Vigoroso no longo prazo e Cauteloso no curto prazo

Entre 2004 a 2013, o Franchising nos EUA cresceu 18,7%, enquanto que no Brasil, no mesmo período, evoluiu 151,4%. O faturamento do setor de franquias no Brasil foi equivalente a US$ 62,1 bilhões, em 2013, representando 2,4% do PIB, quando em 2004 foi de apenas US$ 21,2 bilhões e representou 1,6%. Já nos EUA, o faturamento do Franchising em 2013 representou 5,1% do PIB norte-americano, tendo alcançado US$ 839 bilhões. O número total de estabelecimentos franqueados, lojas e postos de serviços, previstos no final deste ano no Brasil deve alcançar a cifra de 125,8 mil, número 92% superior ao que existia em 2007. Para efeito de comparação, no final de 2014 devem estar operando nos EUA 770 mil estabelecimentos, praticamente o mesmo número que havia em 2007, sendo que esse número chegou a cair para 736 mil em 2011, no período mais agudo da crise recente naquele mercado quando muitas lojas foram fechadas. Como se percebe houve uma retomada no processo de abertura de pontos e o mercado sinaliza um novo período de expansão. Comparativamente, em termos de densidade de estabelecimentos, existem 397 habitantes por estabelecimento nos EUA e 1.747 no Brasil, sinalizando o espaço que ainda existe no país para crescimento do número de unidades. Em termos de relação com população, o índice precisa ser ajustado à questão do potencial individual de consumo. No Brasil, trabalham no setor de franquias 1.133 mil pessoas, quando em 2007 eram 590 mil, enquanto que nos EUA atuam na área atualmente 8,5 milhões, tendo evoluído apenas 6,4% em relação a 2007. Interessante notar que, apesar de um tamanho médio de unidade ser...
Pequeno guia para quem (ainda) tem medo de empreender

Pequeno guia para quem (ainda) tem medo de empreender

Ter um negócio próprio é o sonho de um número cada vez maior de brasileiros. Mas muitos ainda têm medo de se arriscar em um negócio próprio. Se você está neste grupo, este pequeno guia pode ser útil. Empreendedores de primeira viagem precisam encher, de alguma forma, tanques com cinco combustíveis diferentes. Serão usados em várias combinações desde a etapa inicial da viagem até o próximo posto de combustíveis. A ordem do enchimento dos tanques pode variar, mas se você se enquadra na categoria dos que têm medo de empreender, primeiro encha o tanque da coragem. Muitos que querem empreender, simplesmente não têm a coragem de começar a viagem. Acham que ainda não reúnem todas as competências necessárias. Mas isso são exteriorizações de um medo interior maior: o de não ser capaz de se virar diante do desconhecido. Há muitos postos que oferecem o combustível da coragem para empreendedores, mas o que mais gosto é o Empretec, do Sebrae. Em seis dias, você suará por, no mínimo, 60 horas para tirar seu eu empreendedor (que não sabia) que existia em você ao trabalhar os dez principais comportamentos empreendedores. Depois dessa semana, você terá uma certeza: “De fome, você não morrerá”. E o combustível da coragem estará aceso! O Empretec ajuda a encher o tanque seguinte com o segundo combustível para quem tem medo de empreender: cara de pau. No Empretec, você perde a vergonha, pois tudo é tão intenso que você tira o animal que existe dentro de você. Mas cara de pau é um combustível volátil e já na semana seguinte, sua vergonha, mais conhecida como autocrítica, volta...
Veja dicas dos empresários Gaúchos para empreender com sucesso

Veja dicas dos empresários Gaúchos para empreender com sucesso

Por todo o Estado, existem empresas bem-sucedidas, que fazem a diferença. A maioria começou do nada, por iniciativa de famílias ou de gente que decidiu deixar o emprego ou a profissão em que se formou na universidade, e tocar o próprio negócio. Há um ano, a série O Rio Grande que Dá Certo conta histórias de empresas gaúchas que enfrentam o desafio diário de crescer e inovar. Para garantir uma trajetória vitoriosa, há vários caminhos, da opção radical pelo mercado local à expansão dos negócios em outros continentes. De setembro de 2012 até este domingo, 49 negócios nascidos em solo gaúcho, além de quatro empresas vencedoras do Prêmio Nacional de Inovação no ano passado, tiveram suas histórias retratadas na série. Cada uma tem uma lição a dar a novos — e persistentes — empreendedores. Para comemorar, estão aqui reunidas as principais dicas dos homens e das mulheres que ajudam a mover o Estado. Acredite na receita caseira Foi na pousada Bavária, em Gramado, que Alexandre Gehlen se inspirou parafundar a rede de hotéis Intercity, uma das 10 maiores do país. Na infância, ele passava férias na Bavária e trabalhava como garçom, ajudante ou recepcionista. Demitido com centenas de funcionários do setor calçadista, na década de 1990, Gilmar Borscheidtransformou o amaciante feito pela mãe em oportunidade e fundou a Girando Sol. Nos últimos anos, transformou um antigo galpão de 24 metros quadrados em uma fábrica de 22 mil metros quadrados e mais de 300 empregados. Uma receita de origem uruguaia desenvolvida há anos pela família Kulpa gerou um negócio que se tornou líder no segmento de massas frescas no Estado,...