10 dicas de como treinar sua equipe de vendas pra Quebrar tudo no Natal

Vivemos uma época de grande velocidade de transformações. Neste contexto mutável, proliferam mitos organizacionais a exigir perfis e personalidades definidas para determinada função. A maioria dos “gurus” afirma que uma pessoa comum não conseguiria nunca ser um bom vendedor. Então, os testes para a contratação procuram identificar a discursividade, ambição, proatividade, verificar a “taxa de testosterona” para buscar e contratar somente aqueles que são bons de combate, ou seja: buscam-se pitbulls. Eles teriam a “base” perfeita para a ação.

Mas, será que é fácil lidar com um animal feroz e indócil em suas equipes? Alguém cujo gosto pela competitividade extrapole limites éticos? Que talvez não hesitasse em colocar em risco o faturamento ou a equipe só para não perder uma parada? Ou se desmotivasse logo com a rotina da empresa (ou do gerente), espalhando o vírus do pessimismo? Pois bem! Então não se trata de uma questão de forma, mas de conteúdo: Como identificar as pessoas certas, para desempenhar um papel definido? Além disso, temos a problemática do treinamento, do compromisso, das relações hierárquicas, da satisfação do cliente. A construção do valor deve orientar nossos passos.

Se comportamentos podem ser medidos, em condições de laboratório, avaliar consciências é difícil. Por isso, devemos refletir muito para escaparmos à contradição, em nosso esforço de montar uma equipe campeã. Um erro comum é ostentarmos dois tipos de discursos: Um que valoriza a capacidade de superação: Acredite em Você! Desenvolva suas capacidades! Você pode vencer! E outro, mais pragmático e, porque não, míope, que afirma: Este não serve, não nasceu para vender! Não estou aqui para ensinar ninguém! Mas… Nossa personalidade é construída a partir de interações com o meio e descobrir e lapidar potenciais é justamente a base de formação de times imbatíveis.

Não somente pessoas, mas um clima organizacional que possibilite distinguir entre capacidade e competência. Um profissional que “já vem pronto” pode também trazer vícios indesejáveis ou, simplesmente, ser refratário a qualquer esforço de treinamento. Ou seja, não é capaz, embora competente. Dependendo do tipo de atividade comercial, uma pessoa paciente e gentil vende muito mais que alguém “ansioso para fechar”. Hoje vale mais a disciplina, planejamento e regularidade que um fenômeno passageiro. Aliás, neste mundinho frio, impessoal e globalizado, a boa educação e a segurança no trato é o que realmente “encanta” o Cliente. Pitbulls ameaçam!

É preciso, no ponto de venda, apresentações diferenciadas visando despertar a atenção, o interesse e o desejo dos Clientes em adquiri-los. Trabalhar não a pressão, mas a comunicação persuasiva, explorando, todos os aspectos sensoriais. Por isso, uma topografia de auto-gestão, deve ser implementada desde a contratação e não deve ficar presa a estereótipos. Depois, alinhar a missão através das outras etapas: integração, treinamento, horizonte de metas, normas e convivência. Para isso, sugerimos algumas opções técnicas que podem ajudar neste trajeto:

1 – O primeiro passo é definir quais as réguas de competências e anunciar corretamente, com um perfil que seja abrangente. Não exclua que demonstre possuir capacidades que possam ser treinadas depois, isto pode oferecer vantagem competitiva. Lembre-se, portanto, de não restringir a faixa etária, gênero, raça ou você corre o risco de perder talentos!

2 – Após ter selecionado, a melhor maneira de escolher quem realmente está comprometido e deseja contribuir é um case real. Treinamento, integração e o acompanhamento, nesta etapa são fundamentais para garantir a qualidade do desempenho. Deve-se deixar claro que todos são responsáveis pelo negócio e devem ter iniciativa e conhecimento: isto é auto-gestão.

3 – O varejo não é mais comércio, mas, sim, prestação de serviço. Não se tem mais um produto para vendê-lo a alguém. Você tem de conhecer o seu público-alvo, conhecer o que ele precisa e arranjar esse produto para ele. O conceito mudou de marketing de produto para marketing de serviço. Embora descaracterizado hoje (o varejo parece hoje viver mais como financeira do que como ponto de venda, enfim…), ainda predomina o bom relacionamento. Construa isto, seja em que modalidade for.

4 – A concorrência não se dá mais por um meio físico. Há uma competição globalizada e virtual. A venda tem que ser uma experiência do produto. Percepção é igual a realidade. Tudo é feito pelos cinco sentidos: você precisa ver, cheirar, pegar, ouvir e degustar. E quanto mais sentidos você apropriar ao seu produto, mais fácil será a sua venda. Deixe claro à equipe que o bom vendedor é aquele que é capaz de servir ao Cliente e o fazer ter consciência disto.

5 – Deve-se aprender a crescer junto com o Cliente. Hoje se investe muito em design, lojas bonitas, amplas, mas sem calor humano. Venda é emoção. Quem compra móveis racionalmente? Olha esta cadeira tem tal custo/benefício, se paga em tanto tempo… Esqueçam isto! O varejo é emoção. Por isso a agressividade não serve! É preciso ter PAIXÃO!

6 – Conheça o que vende e ensine isto à Equipe: Um Cliente não compra um sofá, mas uma experiência de conforto em sua casa. Não adquire uma luminária ou um tapete, mas decoração para si e para mostrar aos outros. Não consome produtos, mas a interpretação por trás deles: Sucesso, elegância, status, praticidade, destaque, sonhos realizados. Para isso ele deve ser atendido de forma técnica e cortês.

7 – Fique atento às fases da venda: Abordagem ativa (sem grudar), levantamento de informações (perguntas inteligentes), apresentação de produtos (sintética e objetiva), tentativas de fechamento (sim, são várias), trabalho de objeções (se há objeção há interesse), conclusão e agradecimento (gentileza gera gentileza) e pós-vendas (é fácil vender para clientes satisfeitos).

8 – Focar as Técnicas de Vendas nos Pontos Chave: Perceber coisas sob o ângulo do cliente, oferecer sempre o item de maior valor agregado, tentar a venda de produtos adicionais, evitar discussões sobre pontos de vista, evitar que se fale demais, oferecer soluções, dar forma definida ao pensamento da outra pessoa, encontrar o ponto vulnerável para fechamento do negócio.

9 – Reunir e dar feedback regularmente. Criar campanhas de incentivo não somente a metas, mas a processos e situações que podem ser melhorados no dia-a-dia da empresa. Engajar todos nas mudanças e processos. Criatividade é um lados do triângulo do sucesso. Os outros dois são conhecimento e administração.

10 – Além do conhecimento de mercado, produtos e serviços, deve-se desenvolver a Liderança Ativa, ou seja: A Excelência em Comandar. Gerir pessoas é diferente de gerir produtos. Somente quem aplica no dia-a-dia toda sua energia criativa, conhecimento e disciplina pode estar seguro de não ser enganado por falsas impressões ou perder vendas por percepções equivocadas.

www.consultivelabs.com.br

The following two tabs change content below.
Idealizador da Escola de Varejo. Acredita que empreender está ligado com a atitude e não com a teoria. Autodidata, estuda profundamente Técnicas e Métricas de Marketing e Vendas, encontrando teorias e referencias em todos os tipos de ambientes, de Restaurantes a Igrejas. Acredita que tudo pode ser medido e deve ser aprimorado. Rain Man por natureza, Capitalista Worklover de coração e alma. Apaixonado por tecnologia e conceitos 2.0!